Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Há Lobo no Cais

Vamos bater no Murphy…

 1434705663_423636_1434708590_sumario_normal.gif

Não me refiro ao Eddie Murphy, se bem que é um grande canastrão, mas à conhecida “lei de Murphy” que tem como diversão lixar-nos a vida.

Para os mais distraídos, é aquela lei que muito simplesmente diz: “Se alguma coisa pode dar errado, dará.” E mais, dá errado da pior maneira, no pior momento e de modo que cause o maior transtorno possível.

Mas como surgiu tal lei? segundo consta, em 1949, o capitão da Aeronáutica dos EUA, Edward A. Murphy Jr., conduziu os testes sobre o efeito das forças gravitacionais nos pilotos. O problema foi depois de feitos os testes, nada de resultados esperados. Isto porque um assistente instalou mal os sensores eletrônicos e com isso a leitura dos dados foram todos para o lixo. Murphy teria dito sobre o assistente: "Se houver alguma maneira de fazer as coisas erradas, ele o fará" que acabaria por dar na lei acima referida. Claro que isto foi na versão censurada, na realidade o que ele disse foi, “este filho de sete piiiii, conseguiu encontrar a única forma de ligar isto mal e piiii-nos o trabalho todo”.

A lei de Murphy não passa da “perversidade do universo”, aquela sensação de que o universo “quer” estar contra nós na pior altura possível. É a visão do mundo daqueles que são dados ao negativismo, dos que reclamam que a torrada cai sempre com a manteiga para baixo. Essa até tem explicação científica. Primeiro que são uns aselhas e segundo, da mesa ao chão, sendo mesa “normal”, não há altura suficiente para a torrada rodar 360º partindo de velocidade zero. Toma lá, 1-0 para as pessoas positivas com conhecimentos de física.

Podíamos falar das meias que vão para lavar aos pares e voltam filhas únicas, da fila do lado que é mais rápida até mudarmos para lá, etc, etc… mas podemos também tentar explorar a lei de Murphy a nosso favor, digo eu.

Vamos lá ver, esta é baseada na improbabilidade, como tal, se algo é improvável de acontecer, embora exista a possibilidade, tal probabilidade tende para zero (já sei, que confusão). Esta baseia-se em probabilidade, mas a nossa imaginação leva-a para a realidade do caos. Sendo assim, se pensarmos antecipadamente nas coisas a darem errado, pela lei de Murphy, não vão acontecer. Provavelmente porque nos vamos lembrar com isso de verificar A ou B.

Podemos ainda optar por ser negativos de forma positiva. Há quem diga que “Não há remédio para sexo”, claro que há, mais sexo. Ou então aqueles que dizem “só aparecem mulheres feias”, pois bem, quando se apagam as luzes, todas as mulheres são bonitas. Depois para aquelas situações que estamos a ferver e dizemos a frase “Inteligência tem limite. Burrice não.” Opte por se rir, pensado que a pessoa em causa é um palhaço.

Para terminar, comprem pilhas mesmo que não precisem, elas tem lado negativo, mas também positivo. Alem de que ficam de reserva, é que no dia q comprares equipamento eletrónico que as necessite, só quando chegares a casa é que vais reparar que na caixa diz “pilhas não incluídas”. Lei de Murphy controlada. ;)

 

Nota – Também se morde outras coisas no facebook, curiosos?