Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Há Lobo no Cais

Mãe que é mãe… é assim!

 50b216c372b02830db5708e1cf11deb5.jpg

 Lamento ser portador de más notícias, pois se é verdade que quem tem mãe tem tudo, mas a verdade é que quem não tem uma mãe assim afinal não tem nada!

E de que raio estou eu a falar? Do “anormal” comportamento que é normal as mães terem nas mais variadas situações da vida de um filho.

Se falares de namorada nova, ela não vai ficar satisfeita apenas com o nome da “criatura”, tem de fazer o interrogatório da praxe, “qual o trabalho?”, “de onde é?”, “quem são os pais?” etc e tal e para rematar não se vais esquecer de perguntar, “é pra casar?” ou “é esta que vai dar-me um neto?”.

 

Quando fala de ti, por muito modernas, educadas e inteligentes que sejam, vão sempre parecer que estão a falar de algo que lhes pertence, “o MEU filho é…”, “o MEU filho faz…” e a especialidade “aquela serigaita que não pensa que engana o MEU filho, eu não deixo”.

Claro que lhe junta a capacidade de em qualquer situação, em que não devia, falar da tua vida desde o dia em que nascemos. Nomes “fofinhos” que tínhamos, asneiras ou situações embaraçosas em que nos metemos e ainda mostra umas quantas fotos onde está a do menino nu na praia.

Se vai cozinhar para ti, já sabes, é melhor não comeres nos dois ou três dias que antecederem a visita. Vai receber-te com um “estás tão magrinho, que andas tu a comer?” ou pior ainda, “ela não toma conta de ti! Deixa estar que a mãe vai fazer o que gostas.” Tu dizeres que comes e que até és tu que cozinhas não importa, vai tratar de cozinhar para um batalhão com direito a sopa (da pedra), assado para doze pessoas quando vão jantar apenas três, leite-creme que tanto gostas e seguido bolo “para o café e dá pra depois levares um bocadinho”. Como vai sobrar vais ter de ouvir, “mas tás doente, só comes isso?”, “vais levar numa caixinha e já tens comida para amanhã”, amanhã e não tens de ir às compra até ao fim do mês, tal o saco de comida feito ou para fazer que te obriga a meter na mala do carro.

Telefonas para casa, algo que tem de ser feito com tempo. Como é evidente, tu queres saber se está tudo bem por lá. Como tal vais ficar a saber que os cotas estão bem, mas também de tudo que aconteceu nos últimos dias na casa, inclusive o que jantaram na quarta-feira passada. Se te distrais a senhora vai entusiasmar-se e depois de começar a falar não a vais conseguir parar e lá vais ficar a saber de tudo que se passa no bairro inclusive que a filha da amiga está solteira e que ela e a mãe da dita até já falaram que nos dois fazíamos um par tão bonito. É nesta altura que pousas o telemóvel na mesa e colocas em alta voz para ires atirando uns “sim, mãe, sim, tou a ouvir…” de vez em quanto até ela não ter mais reportório.

Trata-te pelos teus dois nomes próprios, e tu já sabes que fizeste asneira ou no mínimo não fizeste o que te disse para fazeres. Claro que também se pode incluir aqui o dia em que a informas que vais sair de casa. “Frederico Estefânio vais arrepender-te, deixa-te estar em casa”, ou “mas Frederico Estefânio quem vai tomar conta de ti? A mãe não pode lá ir todos os dias”. Provavelmente ai termina com um “ ai que a mãe não se está a sentir bem Frederico Estefânio”.

 

 Nota – Também se morde outras coisas no facebook, curiosos?